Revistas Izunome

Hatsuike exalta a importância do Belo e dá início às atividades de Ikebana Sanguetsu – 2018

Ana Basile - março, 2018
Coordenadora Nacional do Sanguetsu, Marilu, em montagem de arranjo de ikebana - Foto Ricardo Fuchigami_1

“A beleza da flor, quando a fixo compenetrado, volto a sentir quão profundas são as bênçãos de Deus” ─ é o que Mokiti Okada afirma em um dos seus poemas relacionados ao deleite proveniente da contemplação da Arte.

Neste sentido, a FMO, alinhada com a coluna do Belo, sua missão, realiza, continuamente, atividades que procuram cumprir o legado do mestre em religar o Homem a Deus por meio de sua filosofia, que também confere à arte um caminho eficaz e prazeroso para a nobreza dos sentimentos, palavras e ações.

O trilhar no caminho da flor pela Ikebana Sanguetsu para a elevação espiritual tem sido comprovado ao longo de mais de quarenta anos. Sendo assim, anualmente, um dos momentos mais aguardados tem sido o Hatsuike – “A primeira flor do ano”, cerimônia que abre oficialmente as atividades em âmbito nacional.

A solenidade ocorreu na Sede Central, em São Paulo, em 3 de fevereiro e, na oportunidade, contou com a presença de 600 “missionários da flor”. São professores que, imbuídos do amor ao próximo, têm se empenhado, sempre com alegria, para transformar vidas, fazendo desta tarefa um objetivo primordial.

Desde o seu início, o encontro proporcionou intensas emoções e fez desabrochar um grande espírito de confraternização nos participantes.

O evento começou sob as marcantes batidas dos tambores japoneses, taiko, presente na cultura nipônica há mais de 2.500 anos.

O Coral Mokiti Okada também teve presença decisiva para tornar este encontro um dos mais emocionantes até os dias atuais, em que os integrantes adentraram a nave entoando suaves notas musicais de delicado frescor.

Para marcar ainda mais estes momentos, a professora de ikebana, Josefina Toshiko Kobayashi, cantou, em japonês, a música “Seja como uma flor”, que causou admiração por conta de sua bela voz.

A coordenadora nacional da Ikebana Sanguetsu, Maria de Lourdes de Oliveira Francisco (Profa. Marilú), ornamentou, com requinte e com ares de celebração, o altar com um arranjo floral composto de orquídeas azuis e chuvas-de-ouro. Logo mais, em sua palestra, contou, emocionada, sua trajetória no Sanguetsu e seu comprometimento, desde o início, com a Flor de Mokiti Okada. Também agradeceu os professores pelo empenho desenvolvido em 2017, que resultou na formação de 6.370 alunos no Brasil. Ainda, orientou que o segredo da felicidade está em tornar feliz, primeiramente, as pessoas ao nosso redor. Para isto, é preciso observar e ter atenção plena, não só para com os integrantes da família e amigos, mas também com outras pessoas que se encontram próximas de nós.”

Outro ponto forte foi a experiência relatada pela Profa. Elizabete Nascimento Prado, do Guarujá (SP). Ela conta que, a partir do ensinamento de Mokiti Okada, “A Verdade é o caminho, o Bem é a ação, o Belo é o sentimento. Desejo, ardentemente, que todos os cultivem”, mesmo sem tempo, dinheiro e com a saúde debilitada, confeccionou e distribuiu mil miniarranjos de flores pelas ruas, pedindo a Deus que estes fossem pontos de luz capazes de levar felicidade às pessoas. “Presenciei muitos sorrisos, alegrias e lágrimas de emoção a quem entreguei os arranjos. Com este sentimento fui agraciada em ter minha saúde totalmente restaurada”, expressou, feliz.

O presidente da FMO, Miguel Neves Bomfim Neto, deu as boas-vindas aos participantes de forma inusitada, despertando a admiração nos presentes ao entoar a música “Como vai você”, de Roberto Carlos. Segundo o presidente, ele escolheu esta canção, objetivando que o professor utilize esta pergunta, interessando-se em saber como está seu aluno, antes do início da aula. Orientou, ainda, que o ano de 2018 continua se baseando na diretriz que dá importância à criação do lar de luz, somando-a à importante missão de cuidar de pessoas: “Nossas ações devem ser sempre motivadas pelo sentimento de gratidão e renascimento. Para isso, o professor de ikebana precisa se esforçar para, além de ensinar a técnica da confecção do arranjo floral ao aluno, treinar o seu altruísmo para cuidar dele constantemente”, conclui.

Para Graças de Maria Belo Lima Machado, de São Luís (MA), professora de ikebana há vinte anos, cada evento é melhor que o outro: “Deste hatsuike, vou levar mais amor, alegria, emoção e gratidão. Pensei em meus alunos o tempo todo, agradecendo por eu ser professora”, diz.

Professora de ikebana desde 1997, Regina Maria da Cunha Melo, do Rio de Janeiro (RJ), destaca a orientação do presidente da FMO: “Devo cuidar, especialmente, da formação de professores ligados a mim, para que eles possam levar o cuidado aos seus alunos. É cuidando que a gente é cuidado por Deus”, afirma.

Ao final, foi notória a emoção estampada nos rostos dos participantes, que retornaram às suas cidades com seus desafios renovados em nome da arte, da flor e da sua missão.

O estilo Sanguetsu tem, como diferencial, unir a técnica ao mais belo sentimento

Ao longo de mais de quarenta anos de atuação no Brasil, a Ikebana Sanguetsu tem concentrado esforços para que o aluno tenha sua vida transformada ao acessar uma sabedoria profunda e altamente espiritualista, que lhe confira um aperfeiçoamento pessoal que lhe dê um novo sentido à vida, além de um lar pleno de beleza, harmonia, alegria, saúde e prosperidade.

Acesse o site www.fmo.org.br/sanguetsu e acompanhe as atividades da Ikebana Sanguetsu pelo Brasil.

Texto: Silvana Boghi

Previous Image
Next Image

info heading

info content