Liturgia Messiânica



Sua origem
A Igreja Messiânica Mundial do Japão instituiu os cultos, com base nos princípios religiosos da época de seu fundador, Meishu-Sama (1882-1955), e foram aprofundados e sistematizados pela sua esposa e Segunda Líder Espiritual (Nidai-Sama), no período de 1955-1962. A pedido da Segunda Líder, o reverendo Hideo Sakakibara, em 1958, assumiu o Gabinete da Liturgia da Sede Geral, quando estudou os rituais da religião Oomoto para adaptá-los aos cerimoniais litúrgicos messiânicos.

Conceito
A Liturgia da Igreja Messiânica Mundial recebe influência da liturgia xintoísta. No Brasil, entretanto, a liturgia foi adequada à cultura ocidental tanto nos ritos quanto nos objetos utilizados nos cerimoniais.
Por meio dos sagrados Ensinamentos de Meishu-Sama, sabemos que Deus criou o ser humano com o objetivo de construir o reino do céu na terra e isso, na liturgia messiânica, é celebrado pela realização do matsuri (culto), que representa o equilíbrio entre Deus e o homem.
O cerimonial litúrgico messiânico apresenta movimentos importantes que se entrecruzam e geram força: enquanto o ser humano oferece o servir a Deus, Ele o abençoa com Sua Luz.
Nidai-Sama nos orienta da seguinte forma:
"Liturgia significa equilibrar (balancear) – Céu e a Terra estão em perfeito equilíbrio, sem excesso ou falta. O sentimento sincero de gratidão ofertado pelo homem está em harmonia com as graças recebidas de Deus, e o culto representa exatamente isso. Entretanto, esta harmonia não ocorre apenas quando fazemos a oração – ocorre sempre que o homem se encontra com Deus."

Gokowa – Roku.





1.1.1.

Cultos
As celebrações litúrgicas da Igreja Messiânica são divididas em cultos diários, mensais e especiais.
Os cultos diários são realizados nos períodos da manhã e da noite, e denominados de “culto matinal” e “culto vesperal”, respectivamente. Eles são realizados em todas as unidades religiosas: Solo Sagrado, Igrejas e Johrei Centers.
Durante esses ofícios, os messiânicos, voltados para a Imagem do altar, agradecem. No culto matinal, os messiânicos pedem proteção para o dia que se inicia e, no vesperal, agradecem as bênçãos e as proteções recebidas durante o dia.

O culto mensal é chamado de “Culto Mensal de Agradecimento”. Nesta ocasião, os messiânicos oferecem a Deus sua sincera gratidão pelo mês que findou e renovam seus compromissos para com o mês que se inicia. É celebrado no primeiro domingo do mês no Solo Sagrado e, posteriormente, nas Igrejas e Johrei Centers.
Além dos cultos mensais, são celebrados os cultos especiais, que compõem o calendário litúrgico da Igreja Messiânica Mundial, na seguinte cronologia: Ano-Novo e Fundação da IMM (janeiro); Paraíso Terrestre (15 de junho); Agricultura Natural (agosto); Antepassados (2 de novembro, no Brasil) e Natalício de Meishu-Sama (23 de dezembro).

O significado de cada culto especial:

Culto do Ano-Novo e da Fundação da Igreja
No dia 1º de janeiro de 1935, Meishu-Sama instituiu a Igreja Messiânica Mundial na cidade de Tóquio, Japão. Neste dia, os messiânicos comemoram o Culto do Ano-Novo com esta importante data. Para eles, inicia-se uma vida nova em vários aspectos no que se refere à família, ao trabalho e ao servir à Obra Divina. É o dia em que os fiéis relatam a Deus seus objetivos e prometem esforçar-se ao máximo no transcorrer do ano que se inicia.

Culto do Paraíso Terrestre:
No alvorecer do dia 15 de junho de 1931, Meishu-Sama subiu ao monte Nokoguiri no Japão e, voltado para a direção do Sol que começava a nascer, entoou a oração Amatsu Norito.
Posteriormente, explicitou-nos o significado da Revelação Divina que ocorrera naquele momento: a Transição da Noite para o Dia. A Luz, que começou a brilhar no Mundo Espiritual, iria refletir-se, pouco a pouco, no Mundo Material, dando início à construção do Paraíso Terrestre.

Culto Mensal de Agradecimento dedicado à Agricultura Natural
Nesse culto, os messiânicos agradecem as bênçãos de Deus e da Natureza pela Agricultura Natural, que, segundo Meishu-Sama, é um método agrícola revelado por Deus.
O Mestre diz em seus Ensinamentos:
"Em seu estado original, ela (a Grande Natureza) é a própria Verdade e por isso serve de modelo a todos os projetos do homem […] O Johrei, a Agricultura Natural e outros princípios preconizados por mim […] se baseiam na Lei da Natureza."

Culto às Almas dos Antepassados
No Japão, este culto é realizado no dia 1º de agosto e, no Brasil, em 2 de novembro. É o momento em que os messiânicos oferecem aos espíritos de seus antepassados e amigos orações de gratidão e amor. Nesse dia, a Luz enviada por Deus é muito intensa, correspondendo à atitude do grande número de fiéis que, unindo seus sentimentos, sufragam seus ancestrais com toda a gratidão.

Culto do Natalício de Meishu-Sama
Meishu-Sama['] nasceu em 23 de dezembro de 1882. Para os messiânicos, o Culto do Natalício de Meishu-Sama é a oportunidade em que não só prometem realizar a Obra Divina na Terra, mas também oferecem suas orações para que a Luz que ele transmite do céu seja derramada sobre a humanidade.

['] O fundador Mokiti Okada é chamado por seus seguidores de Meishu-Sama (Senhor da Luz).

1.1.2.

Cerimônia de Outorga
A Cerimônia de Outorga é um ato litúrgico realizado pela Igreja Messiânica, por meio do qual se permite às pessoas que sentem afinidade com as práticas messiânicas, receber a Medalha da Luz Divina (Ohikari) fim de ministrar a Luz Divina através do Johrei.
Durante a Cerimônia de Outorga, guiadas pela permissão de Deus, elas ingressam na fé messiânica a fim de se empenharem ao máximo na construção do Paraíso Terrestre, como novos membros da Igreja.
De forma respeitosa, comunica-se a Deus o motivo da celebração e roga-se que Ele ilumine e oriente, com intensa Luz, o caminho que os novos membros percorrerão, abençoando-os com constante proteção e crescente felicidade.

1.1.3.

Cerimônia de Apresentação
“Deus atribuiu ao ser humano, o mais nobre de todos os seres, a missão de construir o Reino dos Céus na Terra. Embora a salvação da humanidade seja obra Sua, Deus a realiza através do homem. O homem vem a este mundo com um corpo físico recebido de seus pais e uma alma provinda de Deus.” (Nidai-Sama)
Na Igreja Messiânica, o rito de passagem de nascimento é denominado Cerimônia de Apresentação. Nesta celebração, a criança é apresentada a Deus e a Meishu-Sama, perante o altar.
Neste sagrado momento, pais e padrinhos manifestam profunda gratidão a Deus e a Meishu-Sama pelo nascimento da criança e comprometem-se a criá-la e educá-la dentro dos princípios da fé messiânica, de amor ao próximo e da prática dos Ensinamentos de Meishu-Sama, para torná-la um instrumento útil na construção do Paraíso Terrestre.
Com a criança no colo dos padrinhos, o chefe do cerimonial lhe ministra. Johrei é a oração da Igreja Messiânica que consiste na transmissão da Luz de Deus, pela imposição das mãos, diretamente ao espírito de quem a recebe.

1.1.4.

Enlace Matrimonial Na Igreja Messiânica, o casamento é celebrado pelo chefe do cerimonial – um ministro sacerdotal da unidade religiosa a que pertencem os noivos.
A oração do enlace matrimonial é entoada pelo próprio chefe do cerimonial. Por meio dessa oração, os noivos são apresentados a Deus e comprometem-se a construir um lar harmonioso e exemplar, consoante a Vontade Divina.
Em seguida, os noivos se dirigem ao altar e, fazendo uma leve reverência, oferecem o ofertório de gratidão, um ramo de pinheiro, que simboliza, entre outras coisas, o sentimento dos noivos pela nova vida que iniciarão juntos.
Em seguida, o chefe do cerimonial ministra Johrei aos noivos. Em seguida, é feita a troca de alianças. Depois, eles leem um texto de compromisso matrimonial e a união das famílias é representada pela troca de taças entre os dois. O papel dos padrinhos é elevar a Deus um pedido de bênçãos ao novo casal.

1.1.5.

Funeral A cerimônia de funeral, com base na doutrina da Igreja Messiânica Mundial, é destinada às famílias que podem assumir o sagrado compromisso de rezar e realizar cultos para os espíritos de seus ancestrais e antepassados, e da pessoa recém-falecida .
A cerimônia de funeral é a primeira prece que se realiza em sufrágio do espírito de pessoa que retornou ao Mundo Espiritual pela Vontade de Deus, após cumprir sua missão no Mundo Material. Ela deve ser realizada com respeito, sinceridade e amor.

Receba nossas novidades