Palestra do Culto

Culto Mensal de Agradecimento – Março 2018

Igreja Messiânica Mundial do Brasil - março, 2018

Culto Mensal de Agradecimento
Solo Sagrado de Guarapiranga
4 de março de 2018

Bom-dia a todos! Os senhores estão passando bem? Estão felizes?

Em primeiro lugar, quero expressar minha mais sincera gratidão a Deus e ao Messias que é uno a Meishu-Sama pela permissão de dedicar com os senhores na Obra Divina e, juntos, celebrarmos este culto mensal de agradecimento.

No culto de fevereiro, aqui, no Solo Sagrado, tomamos a decisão de fazer de 2018 um ano messiânico.

Os senhores já começaram a viver o ano messiânico?

Há uns 10 dias, eu ouvi um relato bem interessante.

Um jovem missionário me contou que após o culto de fevereiro, seu pai, que era extremamente nervoso e impaciente no trânsito, já no caminho de volta para casa, mostrou uma grande mudança, estava mais tranquilo, calmo e gentil.

Antes mesmo que o filho comentasse qualquer coisa, o pai lhe disse:
“Estou fazendo minha parte para que 2018 seja um ano messiânico.”

Durante o carnaval, ele levou uma fechada daquelas bem bruscas.

Na hora, o sangue subiu e ele ficou muito bravo. Mas sabem o que ele fez?

Ele deu uma risada e falou: “Ah se eu não estivesse fazendo a minha parte para 2018 ser um ano messiânico!”

Puxa! Como eu fiquei feliz em ouvir esta experiência!

Assim como este senhor, acredito que muitos já tomaram a sua decisão e estão se esforçando para fazer de 2018 um ano messiânico!

Hoje, eu gostaria de pensar com os senhores um pouco mais sobre o que precisamos fazer para viver o ano de uma forma messiânica.

Conscientes ou não, o tempo todo, estamos a serviço de Deus.

Acredito que Deus tem um plano, uma missão para cada um de nós, seres humanos, e nos concedeu o tempo necessário para cumpri-la.

Sendo assim, um ponto muito importante é observarmos o sentimento e a maneira como estamos usando esse tempo.

Na verdade, o tempo não pertence a nós, pertence a Deus.

Mas recebemos Dele a permissão para utilizá-lo com liberdade durante a vida.

A todo instante, temos a opção de dedicar o nosso tempo para servir a Deus e ao próximo, purificando e elevando o nosso espírito, ou de utilizá-lo somente para atender ao nosso egoísmo e conveniências.

O tempo é precioso para Deus e para nós.

Por isso, precisamos saber programar, organizar nossas atividades diárias e utilizar esse tempo conscientes de que é importante sempre agirmos com espírito de dedicação.

Então, eu me pergunto: como vou cultivar este espírito e utilizar o tempo que Deus me concede?

Se eu ficar parado em casa, triste e lamuriando, talvez eu não consiga resolver nada e vou continuar sofrendo.

Se eu não me entregar ao ritmo de Deus, servindo como Seu instrumento, talvez eu deixe escapar oportunidades únicas em minha vida e continuarei sofrendo.

Se eu não ministrar e receber Johrei, talvez, não consiga força para superar as dificuldades.

Mas eu tenho uma certeza: quanto mais tempo utilizamos para servir à Obra de Deus, menos tempo sobra para ficarmos sofrendo.

Ficar parados, sem fazer nada, pode ser uma opção.

Mas é preciso saber que, se optarmos por ela, certamente, Deus vai providenciar uma maneira de nos despertar, pois tempo parado, sem ser utilizado para algo produtivo e benéfico, é “prejuízo” para Deus e para nós.

Meishu-Sama ensina que nos sentiremos verdadeiramente felizes à medida que nos identificamos como filhos de Deus e nos dedicamos de corpo e alma ao cumprimento da missão que nos foi atribuída por Ele.

Deus deseja que façamos coisas úteis, boas para nós, para a sociedade, para todos.

Por este motivo, creio eu, é tão importante a dedicação na Obra de Deus.

Porém, na correria do dia a dia, muitas vezes, nos esquecemos da nossa ligação com Deus e não conseguimos sequer parar para orar, para dedicar, para nos aperfeiçoar, ganhar sabedoria e força.

Nós estamos precisando dedicar um pouco mais de tempo para viver com Deus, para voltar o nosso pensamento para Deus e agir conscientes de que Ele age através de nós.

Nesse sentido, tirar um tempo para ir até a Igreja é como se fosse um uma “parada estratégica” para reabastecermos as energias.

Por mais corrida que a vida esteja, é preciso fazer esta parada, ou, talvez, não aguentaremos seguir até o final.

Eu acredito que foi com essa finalidade que Meishu-Sama fundou a Igreja Messiânica, construiu os Solos Sagrados e abriu as unidades religiosas.

Ou seja, para as pessoas reconfortarem suas almas cansadas, entregarem as dificuldades que assolam suas vidas e despertarem para servir como instrumentos de Deus na salvação das pessoas e na concretização do Paraíso Terrestre.

A importância de irmos à Igreja e aprendermos como trilhar o caminho da salvação está clara no ensinamento “Eliminação da Tragédia”, que acabamos de ouvir.

Meishu-Sama nos ensina: “aqueles que ingressam em nossa religião, em curto espaço de tempo, vão galgando níveis de Iluminação mais elevados até atingirem a Suprema Iluminação.

Além de não precisar preocupar-se com as próprias tragédias, tornam-se qualificados para eliminar as tragédias alheias.”

É isto que fica comprovado nas dezenas e dezenas de relatos que recebemos diariamente.

Alguns destes relatos são lidos nos cultos diários.

Eu sempre me emociono ao ouvi-los.

Neste último mês, por exemplo, ouvimos experiências muito fortes, não foi?

Lembram-se do caso da jovem que, quando bebê, foi diagnosticada com cegueira irreversível e conseguiu recuperar 20% da visão?

Na verdade, a primeira orientação que a família recebeu, foi de levá-la à Igreja para receber 10 Johrei, por dia, durante um mês.

Contudo, neste período, não houve nenhuma melhora.

Mesmo assim, os pais tomaram a firme decisão de não abandonar o recebimento de Johrei e continuaram levando-a à Igreja.

Foi, então, que veio o grande milagre.

Certo dia, após já ter recebido mais de 3 mil Johrei, a família percebeu que ela começou a acompanhar com os olhos o movimento da mão da sua tia, que estava lhe ministrando Johrei.

Ao fazerem novos exames, ficou comprovada a recuperação dos 20% da visão que, como ela relatou, mudou 100% a sua vida.

Temos também vários relatos sobre depressão, que é uma das doenças mais complexas da atualidade.

Quantas famílias vêm sofrendo por causa dela!

Por isso, é muito gratificante ouvir relatos de pessoas que superaram esse problema através do encontro com Meishu-Sama, do Johrei e da prática da fé.

Um desses relatos me emocionou bastante.

Uma jovem, de 28 anos, vinha sofrendo há dez, com síndrome do pânico e depressão.

Para dormir precisava tomar diversos remédios e vivia sedada.

Seu corpo doía muito, faltava-lhe o ar e ela começou a se mutilar.

O casamento acabou, ela afastou-se dos amigos e seu sofrimento era tanto que chegou a pensar em acabar com a própria vida.

Porém, graças a uma nova amiga do trabalho, que é messiânica e a levou à Igreja, ela conheceu Meishu-Sama e o Johrei.

No primeiro Johrei, chorou bastante, mas sentiu-se muito bem, e chegando em casa, esqueceu de tomar os remédios.

Mas, mesmo assim, dormiu profundamente até o dia seguinte.

A partir daí ela começou a frequentar a Igreja. Um mês depois, ela já estava se sentindo bem melhor e a sensação de tristeza e solidão desapareceu.

Um ponto me chamou atenção, neste relato.

Certo dia, ela conta que, recebendo Johrei, teve a sensação de ver uma espécie de fumaça escura saindo dela e sentiu que seu espírito estava sendo purificado.

Chegando em casa, teve náuseas e vômitos.

Mas compreendeu que aquilo fazia parte do processo de purificação e de eliminação de impurezas.

Profundamente agradecida, tomou a decisão de servir a Deus e recebeu o Ohikari.

Hoje, ela é muito feliz, não tem mais depressão e está se dedicando à salvação de outras pessoas!

Eu fico pensando: se nós ficamos felizes e emocionados ao ouvir esses relatos, imaginem a alegria e emoção dos missionários que cuidaram diretamente dessas pessoas!

Há pouco ouvimos a experiência do Donizete que, tomou a decisão de desapegar dos próprios problemas e, buscando servir a Deus e Meishu-Sama, colocou a felicidade das pessoas em primeiro lugar, desejando a salvação delas.

Representando todos os missionários, os assistentes de família e de ministro, eu gostaria de convidar, mais uma vez, o Donizete.

Parabéns, Donizete, continue firme em suas dedicações!

É por tudo isso que, ao invés de ficarmos isolados, tentando encontrar a solução dos problemas com a própria força, vamos, primeiramente, buscar a Deus e ao Messias que é uno a Meishu-Sama!

Então, os senhores já sabem onde precisam ir? Onde vamos buscar essa força?

Isso mesmo! Vamos para a Igreja, a casa de Deus e de Meishu-Sama! Vamos dedicar nosso precioso tempo para servir à Obra Divina!

Eu tenho certeza de que este é um importante passo para conseguirmos fazer de 2018 um ano messiânico.

No próximo mês, celebraremos o Culto de Jovens. Imagino que será um culto muito alegre e vibrante!

Os senhores vão participar? Eu já me convidei, porque eu também me considero jovem. Talvez, jovem há mais tempo, não é?

Assim, espero me encontrar com os senhores e as senhoras, e com os jovens de todo o Brasil no próximo mês.

No dia 8 de março, comemoraremos o Dia Internacional da Mulher! Quero agradecer e parabenizar a todas pela grande missão recebida do Supremo Deus nesta vida!

Desejo a todos um excelente mês, muita Luz, saúde, paz e prosperidade!

Muito obrigado e boa dedicação!