Palestra do Culto

Culto Mensal de Agradecimento – Maio 2018

Igreja Messiânica Mundial do Brasil - maio, 2018

Culto Mensal de Agradecimento
Solo Sagrado de Guarapiranga
1º de maio de 2018

Bom-dia a todos! Os senhores estão felizes?

Eu também estou muito feliz!

Agradeço a Deus e ao Messias Meishu-Sama, a permissão de servir à Obra Divina e de realizar este culto mensal de agradecimento com todos os senhores e senhoras.

Primeiramente, gostaria de fazer um comunicado a todos. Após três anos de sincera dedicação na função de vice-presidente da nossa Igreja, o reverendo Walter Grazzi encerrou seu mandato. Para ocupar o cargo, foi eleito o Rev. Roberto Massao Tateyama.

Rev. Walter e Rev. Massao, por favor!

Rev. Walter, muito obrigado por toda sua dedicação!

Receba nossa gratidão!

Rev. Massao, boa missão!

Hoje, 1º de maio, é um dia muito especial. Estamos comemorando o Dia do trabalho, o Dia dos Trabalhadores!

Todos os dias, graças ao trabalho de milhões e milhões de pessoas, estamos construindo e aperfeiçoando a nossa sociedade. Por isso, gostaria que, juntos, neste momento, manifestássemos nossa gratidão a todos os trabalhadores com uma calorosa salva de palmas.

Este mês, comemoramos também o Dia das Mães. Será que é coincidência o Dia do Trabalho e o Dia das Mães serem comemorados no mesmo mês? Se pensarmos em todo o trabalho que damos a elas, tenho certeza que não é coincidência….

Então, vamos externar nossa gratidão com uma grandiosa salva de palmas a todas elas! Parabéns mamães de todo o Brasil! Que Deus e Meishu-Sama as ilumine, conceda muita sabedoria e paciência para cumprirem sua missão.

Tenho recebido muitos relatos de membros que estão se empenhando em suas dedicações para tornar 2018 num ano messiânico.

E os senhores, através das práticas messiânicas já conseguiram perceber alguma mudança no seu dia a dia, na sua maneira de pensar e de agir?

Fazer de 2018 um ano messiânico, significa cada um se esforçar para conhecer mais os ensinamentos de Meishu-Sama e colocá-los em prática para, passo a passo, ir se tornando uma pessoa que, alegrando a Deus, se dedica à felicidade do próximo e faz a diferença positivamente onde quer que esteja.

Acredito que com o culto de hoje iniciamos os preparativos finais para receber o Culto do Paraíso Terrestre, que se realizará daqui a 45 dias. E o que ele significa para nós?

Em 1953, há 65 anos, por ocasião da inauguração do Solo Sagrado de Hakone, a Terra Divina, Meishu-Sama afirmou que “a conclusão do Paraíso Terrestre da Terra Divina simboliza o próprio nascimento do paraíso na Terra”.

Desde então, todos os anos no dia 15 de junho, comemoramos e agradecemos a Deus e Meishu-Sama o nascimento do Paraíso na Terra e renovamos o nosso compromisso de nos empenhar à sua concretização.

Contudo, a nossa sociedade atravessa tantas purificações que, às vezes, dá-se a impressão de que o Paraíso ainda não nasceu, pelo contrário, que ainda falta muito para ele nascer.

Eu acredito que um dos fatores que mais nos causa essa impressão são as constantes situações de doenças e conflitos que envolvem as pessoas em toda parte do mundo.

Há pouco, ouvimos o ensinamento “As três calamidades maiores e as três calamidades menores”, Meishu-Sama nos esclarece a origem dos conflitos e dos sofrimentos. Ele diz:

“As nuvens espirituais se formam a partir do sonen [do pensamento] e do espírito das palavras[1] do ser humano. Em outros termos, o sonen que pertence ao mal, como insatisfação, ódio, insulto, inveja, ira, mentira, desejo de vingança, apego etc., nublam o Mundo Espiritual.

[…] as queixas em relação à Natureza […]; críticas e ataques verbais às pessoas; gritos e vaias; fofocas e intrigas; repreensões, lamúria e outras expressões desse tipo têm origem no mal e nublam o Mundo do Espírito das Palavras […].

[…] Quando a quantidade acumulada desses diversos tipos de nuvens espirituais ultrapassa certo limite, surge um tipo de toxina que causa distúrbio à vida humana. Por esse motivo, ocorre a purificação natural. Esta é a lei do Céu e da Terra.”

Após esclarecer esses pontos, Meishu-Sama nos apresentou uma tese inusitada sobre as causas das guerras e dos conflitos. Em síntese, ele afirmou:

“[…] a causa fundamental do conflito é a indisposição ocasionada pela febre purificadora das toxinas da cabeça bem como da região do pescoço e dos ombros. Por conseguinte, o único meio para acabar com o conflito é curar por completo essa indisposição. Então, não será exagero afirmar que, no mundo inteiro, o Johrei da nossa religião é o único, inigualável e radical método de eliminação do conflito. […]”

Muito interessante, não é? A origem da doença e do conflito está diretamente ligada ao nosso sonen e às nossas palavras. Os senhores estavam lembrados de que esta era a causa fundamental do conflito?

Geralmente, quando estamos atravessando momentos difíceis, ficamos tão envolvidos na situação que acabamos esquecendo desse ponto. E, consequentemente, nos esquecemos também que a solução para o problema está na mudança do nosso pensamento, no servir, no buscar a Luz de Deus.

Sendo assim, acredito que para conseguirmos sentir a existência do Paraíso e concretizá-lo à nossa volta é essencial não nos esquecermos do que diz este ensinamento e praticá-lo. Por isto, gostaria que cada um dos senhores, depois, com calma, o estudasse na íntegra, com muita atenção.

Realmente, a doença, a pobreza e o conflito quando se abatem sobre o ser humano é muito doloroso. Mas Meishu-Sama nos ensina que “a Fé é o meio para purificarmos sem sofrimentos”.

Foi o que constatamos na experiência de fé relatada, há pouco, pelo Carlos Alexandre. Foi aproveitando as “férias forçadas” que veio através da perda do emprego que ele experimentou a grande alegria de servir integralmente à Obra Divina e de ganhar a permissão de resgatar sua relação com o pai, por meio da prática intensiva do Johrei.

Foi emocionante ouvi-lo dizer: “entendi que através do meu servir e entrega incondicional a Deus, ganhei a permissão de mudar meu sentimento e ter minha vida transformada.”

Parabéns Carlos! Continue se empenhando em suas dedicações!

No ensinamento “Conheça a Vontade Divina”, Meishu-Sama afirma:

“[…] o homem foi criado para construir o Mundo Ideal planejado por Deus. E ele só trabalhará com saúde, sem desgraças, em ambiente satisfatório, se conseguir identificar-se com este objetivo Divino.”

Nesse sentido, é bom refletirmos sobre como podemos nos identificar com o objetivo Divino e como estamos utilizando, diariamente, o nosso tempo.

Logicamente, utilizamos o tempo para realizar coisas que julgamos importantes, mas precisamos nos lembrar também que é necessário dedicar uma parte do nosso tempo à Obra de Deus.

Meishu-Sama, nosso modelo, através da revelação Divina, tomou conhecimento do Plano de Deus e se predispôs a se empenhar na concretização do Paraíso na Terra.

Realmente, Meishu-Sama não conseguia ficar indiferente ao sofrimento das pessoas. Ele cuidou pessoalmente de milhares de pessoas, deu muita assistência religiosa, formou vários discípulos, dedicou-se de corpo e alma à obra de salvação da humanidade e pôde comprovar o poder da atuação de Deus através dos milagres que aconteceram.

Por falar em milagre, eu posso contar para os senhores um que ocorreu recentemente?

No ano passado, quando estive na região Norte, ministrei Johrei a um senhor que havia sofrido um grave derrame hemorrágico, que o deixou numa cadeira de rodas, com falhas de memória e com várias outras sequelas.

Poucos minutos após ter iniciado o Johrei, percebi que ele já estava impaciente e queria ir embora. Pela gravidade do caso, o meu sentimento é que ele tivesse paciência para receber Johrei durante várias horas e disse-lhe para ficar mais tempo e receber mais Johrei. Mas ele disse que tinha que ir embora.

Então, falei para ele voltar no dia seguinte. Ele voltou, mas senti que continuava impaciente. Acredito que sua atitude era fruto do desconforto e da indisposição que ele sentia…

Quando eu lhe disse que ele precisava intensificar suas dedicações e receber mais Johrei, ele tomou um susto. E falou que já estava recebendo.

Ao lhe perguntar com qual frequência vinha à Igreja e quantos Johrei recebia, ele respondeu que vinha uma ou duas vezes por semana e que recebia um ou dois Johrei a cada vez.

Perguntei a ele: sua purificação é gripe? Assustado, ele respondeu: não! Eu tive um derrame hemorrágico!

Passado alguns minutos e vendo que ele continuava impaciente, perguntei outra vez: o problema do senhor é gripe? Meio nervoso e meio chateado, ele reafirmou: Não! É derrame hemorrágico! O senhor não está vendo?

Eu disse a ele: Ah! Sua purificação é muito séria, não é?

Ele confirmou: sim! É muito séria!

Então, eu falei: o senhor precisa intensificar suas dedicações!

Mas como? Ele perguntou. Eu estou na cadeira de rodas!

Segurei sua mão e disse a ele: Não tem problema, o senhor venha todos os dias à Igreja para dedicar e receber 10 Johrei, mesmo sentado na cadeira de rodas. Não se preocupe, o senhor não vai incomodar ninguém!

Então nos despedimos e retornei a São Paulo.

O que me deixou muito feliz, é que, realmente, a partir daquele dia, ele tomou a decisão e passou a ir todos os dias à Igreja. Dedicava, fazia seu donativo de gratidão e recebia de 10 a 15 Johrei diariamente.

Passados 3 ou 4 meses, qual não foi minha surpresa quando recebi um vídeo mostrando ele feliz da vida, caminhando, fazendo oração diante do altar, todo elegante.

Eu soube que, no culto de gratidão, ele foi representante dos membros e fez o ofertório. Puxa vida! Que emoção eu senti!

Este senhor escreveu sua experiência de fé e deu a ela o título “Johrei, a Luz que salva!” É muito bonito, não é?

É isso mesmo! Através de Meishu-Sama, Deus nos concedeu essa maravilha que é o Johrei! O Johrei é a própria Luz de Deus. Nós não podemos ficar economizando essa Luz!

Quando estamos passando por uma grande purificação e nos encontramos num beco sem saída, precisamos entender que a saída é só uma: para cima, buscando a Deus e Meishu-Sama, oferecendo nosso tempo para nos dedicar à Sua Obra.

Assim como o caso deste senhor, quantos milagres estão acontecendo com o retorno das pessoas à casa de Deus, à casa de Meishu-Sama, à Igreja. Eu quero agradecer a todos os membros e ministros pelo empenho em cuidar das pessoas, em ir ao encontro delas, em trazê-las de volta para Meishu-Sama.

Antes de encerrar eu gostaria de reafirmar que o Culto do Paraíso Terrestre é um momento sublime para nós porque ele representa o próprio advento do Paraíso na Terra, o objetivo de Deus para a humanidade.

Sendo assim, eu gostaria que, tendo este ano messiânico como marco, a cada ano, aumentasse dentro de nós a gratidão e a alegria pela permissão de ter encontrado Meishu-Sama e, por seu intermédio, ter tomado conhecimento de que somos instrumentos da vontade Divina que se expressa no Culto do Paraíso Terrestre.

Vamos nos encontrar novamente, aqui, no Solo Sagrado, no dia 15 de junho? Desejo a todos uma excelente preparação!

Muito obrigado e boa dedicação a todos!
_______________________________________

[1] Espírito das palavras: Em japonês, kototama ou guenrei. Refere-se à energia espiritual contida em cada palavra proferida pelo ser humano, que poder ser benigna ou maligna.